2 de nov de 2014

CATÁSTROFE

Vejamos uma reflexão feita pelo filósofo Epíteto:

 "Assim, quando o escravo de um vizinho quebra um cálice, imediatamente estamos prontos a dizer: "São coisas que acontecem".
Fica então sabendo que, quando se quebrar o teu cálice, deves reagir do mesmo modo que reagiste quando se quebrou o de outra pessoa.
Transfere igualmente esta regra mesmo a fatos mais importantes.
Perdeu alguém seu filho ou sua mulher? Todo o mundo diz: "Isto faz parte da condição humana".
Mas quando somos nós mesmos que sofremos essa perda, dizemos logo: "Ai de mim! Como sou infeliz".
Seria necessário lembrarmo-nos do que experimentamos com a notícia do mesmo acontecimento quando sobreveio aos outros".

O que Epíteto nos alerta é para o fato de que muitas vezes uma situação que parece ser normal na vida do outro, muitas vezes quando acontece com a gente, vira uma catástrofe. 

Vejamos também o que diz Marco Aurélio:

"Tudo que acontece, acontece de tal modo que, ou podes suportá-lo naturalmente ou então não podes suportá-lo naturalmente.
Se te acontecer pois aquilo que podes suportar naturalmente, não te irrites; mas suporta-o naturalmente na medida de tua capacidade.
Se te acontecer, porém, o que não podes suportar naturalmente, não te irrites, porque isso passará dissolvendo-se.
Lembra-te todavia de que podes suportar naturalmente tudo o que o teu modo de ver está em condições de tornar suportável e tolerável, se imaginares ser do teu interesse ou do teu dever resolvê-lo assim"...

O que tudo isso quer dizer?
Problemas todos temos, alguns mais simples outros mais complexos. 
Se esta dentro de  seu alcance resolver-lo então o faça. Mas se não pode, no caso de uma morte de ente querido, uma separação... Porque ficar se martirizando e sofrendo, por acaso seu sofrimento vai resolver o problema? Não pelo contrário, você vai terminar trazendo para sua vida um outro problema maior, como uma depressão, gastrite... 
O importante de tudo isso é a Harmonia e a serenidade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário